CartaExpressa

Gustavo Gayer associa nordestinos a galinhas que recebem ‘migalhas’ do governo Lula

O bolsonarista proferiu as declarações em maio, mas o assunto ganhou força nas redes sociais neste domingo 9

O deputado Gustavo Gayer (PL-GO). Foto: Bruno Spada/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

O deputado federal Gustavo Gayer (PL-GO) comparou nordestinos a galinhas que recebem “migalhas” do governo Lula (PT), durante um evento na Assembleia Legislativa da Bahia. As declarações foram proferidas em maio, mas ganharam força nas redes sociais neste domingo 9.

A comparação aconteceu no momento em que o bolsonarista se referiu a Joseph Stalin, líder da União Soviética entre 1924 e 1953. De acordo com a parábola, o revolucionário teria depenado uma galinha e, mesmo assim, conquistado a confiança da ave ao jogar farelos para ela.

Para o deputado bolsonarista, esse seria o modo utilizado pela esquerda no Brasil para obter o apoio do eleitorado nordestino. “Estão dando migalhas para uma população cada vez mais depenada”, alegou.

Gustavo Gayer é pré-candidato à prefeitura de Goiânia e na Câmara dos Deputados integra a tropa de choque da extrema-direita. As declarações dele foram transmitidas ao vivo pelo youtube da Alba.

Assista ao video: 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.