CartaExpressa

Grupo que ‘clonava’ WhatsApp de ministros de Lula é alvo de operação policial

Agentes cumprem oito mandados de busca e apreensão em Recife e João Pessoa

Whatsapp. Foto: Canva
Apoie Siga-nos no

A Polícia Civil do Distrito Federal cumpre, nesta terça-feira 7, oito mandados de busca e apreensão contra pessoas que são suspeitas de aplicarem golpes por meio de uma espécie de clonagem de perfis de ministros do governo Lula (PT) no aplicativo de mensagens WhatsApp. A operação, denominada “Alto Escalão”, ocorre nas cidades de Recife (PE) e João Pessoa (PB).

De acordo com os investigadores, o grupo se passava por seis ministros do governo, utilizando imagens, nomes e informações disponíveis em fontes abertas. Até o momento, a polícia identificou o uso das informações dos seguintes ministros:

  • Camilo Santana (Educação);
  • Carlos Lupi (Previdência Social);
  • Juscelino Filho (Comunicações);
  • Luiz Marinho (Trabalho);
  • Renan Filho (Transportes);
  • Rui Costa (Casa Civil).

Na investigação sobre o caso, que durou seis meses, os agentes identificaram que os supostos criminosos atuavam entrando em contato com diretores e presidentes de órgãos públicos e privados, passando demandas por situações específicas. Exemplo disso seria o pedido de transações financeiras.

Segundo os investigadores, chamou a atenção o fato de que o grupo tinha conhecimento da agenda das autoridades públicas pelas quais se passavam. Os crimes atribuídos ao grupo, até aqui, são associação criminosa e fraude eletrônica.

Ainda não há dados divulgados sobre o número de vítimas ou se algum valor foi, de fato, transferido aos criminosos.

Até o momento, o governo federal ainda não se pronunciou sobre o caso. Os ministros citados também não se manifestaram sobre a operação deflagrada hoje.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.