CartaExpressa

Grande mídia tenta blindar o fracasso das privatizações, afirma Paulo Pimenta

Ministro também criticou a criação de um discurso contra ‘qualquer tentativa soberana’ do governo na tentativa de implementar fontes limpas de energia

O ministro da Secom, Paulo Pimenta. Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro da Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto, Paulo Pimenta (PT-RS), criticou a ação de veículos da mídia que tentam “blindar o fracasso das privatizações como medidas ‘modernas e eficientes’”.

“São porta-vozes do grande capital financeiro e especulativo que lucram com governos e estados fracos. São os que enriquecem ainda mais se apropriando do patrimônio do povo para a prestação de serviços de baixa qualidade”, destacou o ministro em publicação na rede social X, o antigo Twitter, neste domingo 21.

O ministro da Secom também afirmou ‘chamar a atenção’ a sincronia e articulação de veículos na criação de discursos contra “qualquer tentativa soberana do Brasil retomar o controle de sua política energética. Desde o começo do terceiro mandato, Lula tem pregado a implementação de uma agenda verde para o Brasil rumo à transição energética para o cumprimento de acordos internacionais.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.