CartaExpressa

Governistas descumprem decisão Judicial e atacam Paulo Freire em suas redes

Governistas descumprem decisão Judicial e atacam Paulo Freire em suas redes

Em decisão liminar, Justiça Federal do Rio proibiu o governo federal de atentar contra a dignidade do educador e filósofo brasileiro

A Ocupação Paulo Freire, no Itaú Cultural, percorre a trajetória do educador. Nas imagens ao lado, vê-se Freire em Angicos (RN); a ilustração de Brennand para o Programa Nacional de Alfabetização; e o manuscrito de um de seus poemas. (FOTO: Instituto Francisco Brennand (IOCFB), Instituto Paulo Freire e Eduardo Maia/Acervo de Ana Maria Araújo Freire)

A Ocupação Paulo Freire, no Itaú Cultural, percorre a trajetória do educador. Nas imagens ao lado, vê-se Freire em Angicos (RN); a ilustração de Brennand para o Programa Nacional de Alfabetização; e o manuscrito de um de seus poemas. (FOTO: Instituto Francisco Brennand (IOCFB), Instituto Paulo Freire e Eduardo Maia/Acervo de Ana Maria Araújo Freire)

Membros do governo Bolsonaro desacataram a decisão da justiça Federal do Rio de Janeiro, que determinou que a União não poderia atentar contra a dignidade de Paulo Freire, e foram às redes sociais atacar o educador que completaria 100 anos, se estivesse vivo.

Em decisão liminar do dia 17 de setembro, a juíza Geraldine Vital determinou que a União “abstenha-se de praticar qualquer ato institucional atentatório à dignidade do Professor Paulo Freire na condição de Patrono da Educação Brasileira”. A decisão da magistrada atendeu a um pedido do Movimento Nacional de Direitos Humanos. A decisão é passível de recurso pela Advocacia Geral da União.

Neste domingo 19, dia do centenário do educador e filósofo pernambucano, o presidente da Fundação Palmares, Sergio Camargo, escreveu em suas redes ser a favor da ‘proibição da aplicação do método Paulo Freire’, ao criticar a decisão judicial que protege a memória do educador.

 

O deputado federal Eduardo Bolsonaro também criticou Freire ao insinuar que os defensores de seu pensamento seriam como ETs.

Em algumas publicações, o Secretário Nacional de Incentivo e Fomento à Cultura, André Porciuncula, criticou o educador dizendo ser Freire o ‘responsável por um verdadeiro holocausto educacional’. Em uma entrevista concedida à portal Gazeta Brasil, o secretário disse que Paulo Freire ‘deixou gerações de militantes analfabetos’.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem