CartaExpressa,Política

Gleisi rebate promotora sobre homem que ameaçou atirar em Lula: ‘Apologia ao crime’

Gleisi rebate promotora sobre homem que ameaçou atirar em Lula: ‘Apologia ao crime’

Maria Paula Machado de Campos disse que empresário bolsonarista ‘se comoveu com polarização’ e não é criminoso

Deputada federal Gleisi Hoffmann - Foto: Lucio Bernardo Jr./ Câmara dos Deputados

Deputada federal Gleisi Hoffmann - Foto: Lucio Bernardo Jr./ Câmara dos Deputados

A deputada federal Gleisi Hoffmann, presidenta nacional do PT, rebateu  a promotora Maria Paula Machado de Campos, que alegou que o empresário José Sabatini que ameaçou atirar no ex-presidente Lula foi ‘comovido com a polarização’ política, mas ‘não é um criminoso’.

Pelas redes sociais, a petista afirmou que a posição de Maria Paula é “apologia ao crime”.

“Promotora de SP alega ‘polarização política’ para tentar justificar calúnia e ameaças que homem armado fez a Lula em redes sociais. Não é só absurdo, é apologia do crime o que ela faz. Como pode o Ministério Público defender ódio e violência? O Brasil quer mudar, quer paz e democracia”,  escreveu a deputada no Twitter.

No vídeo com a ameaça, o empresário aparece com uma arma e diz que Lula irá ‘ter problemas’ se não ‘devolver o dinheiro que roubou’. Na gravação, Sabatini chega a disparar o revólver após as ameaças.

A defesa de Lula alega que o empresário sabia que o ex-presidente não havia roubado 84 bilhões dos fundos de pensão como acusa no vídeo e mesmo assim o ameaçou. Os advogados também dizem que o ex-presidente foi xingado durante a gravação.

Mesmo com o vídeo, a promotora afirma não haver provas das acusações. Para pedir a rejeição da queixa, ela alega ainda que o empresário pode ter apenas ‘se comovido com o atual momento de polarização do País’, fato que não faria dele um criminoso. Maria de Paula argumenta também ‘livre manifestação de pensamento’ de Sabatini.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem