CartaExpressa

Futura ministra da Ciência e Tecnologia defende reajuste de 70% nas bolsas de pesquisa científica

O percentual corresponde à perda inflacionária acumulada, já que os valores pagos aos bolsistas estão congelados desde 2013

A nova ministra Luciana Santos. Foto: Divulgação
Apoie Siga-nos no

A futura ministra da Ciência e Tecnologia, Luciana Santos (PCdoB), disse considerar prioridade a reposição das perdas inflacionárias das bolsas de formação e pesquisa, problema identificado pela equipe de transição do governo Lula (PT), da qual também fez parte. Os valores estão congelados desde 2013.

A recomposição total aumentaria em cerca de 70% os valores pagos aos bolsistas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Mestrandos recebem 1,5 mil reais e doutorandos, 2,2 mil.

Em suas redes sociais, a ministra disse que o aumento depende de uma construção política para a qual estará empenhada já a partir do primeiro dia do governo. “Nosso compromisso é articular com o Congresso Nacional a elevação dos orçamentos do CNPq e da CAPES, no PLOA 2023”, publicou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.