CartaExpressa

Frei Betto e Católicas pelo Direito de Decidir: ‘Voltamos à Inquisição?’

Frei Betto e Católicas pelo Direito de Decidir: ‘Voltamos à Inquisição?’

Grupo foi proibido de usar o termo 'católicas' após decisão da Justiça

A proibição pela Justiça de que um grupo de militantes pró-aborto chamado Católicas pelo Direito de Decidir utilizasse o termo ‘católicas’ no nome gerou incredulidade na sociedade civil. Para Frei Betto, uma das vozes da Igreja mais conhecidas no Brasil, a situação suscitou uma dúvida: ‘voltamos à Inquisição?’

Frei Betto escreveu, em uma coluna para o jornal Folha de S. Paulo, que o grupo defende a lei brasileira, na medida que o aborto é legal em casos de estupro, anencefalia do feto e risco de vida para a gestante. Mas vai além: quem deve se sentir no direito de determinar se uma pessoa é um católico ‘de verdade’ ou não? A lei? A instituição da Igreja? Nenhum dos dois?

“Estamos de volta à Inquisição, quando os direitos civil e religioso se confundiam? Ou o TJ-SP pretende imitar os tribunais nazistas por condenarem quem se assumia como judeu? Os desembargadores de São Paulo podem, sim, punir quem não cumpre a lei, mas exorbitam de suas funções ao prescrever quem é digno ou não de se considerar adepto de determinada confissão religiosa.”, escreveu.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem