CartaExpressa

Fernanda Costa, filha de Fernandinho Beira-Mar, assume vaga de vereadora

Ela ocupará o cargo em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense

Foto: Reproduçao Foto: Reproduçao
Apoie Siga-nos no

Fernanda Costa, do MDB,  assumiu na última segunda-feira 4 o cargo de vereadora em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Ela é filha do traficante Fernandinho Beira-Mar e ocupará o posto por ser a primeira suplente da legenda.

O prefeito da cidade, Washington Reis (MDB), nomeou um dos membros da bancada como secretário. Assim, a dentista vai ocupar uma das cadeiras na Câmara. Fernanda atingiu os 3.999 votos e ficou em oitava lugar no ranking do seu partido.

Na eleição de 2020, a vereadora declarou à Justiça Eleitoral não ter nenhum bem. Quatro anos antes, segundo a CNN Brasil, ela declarou ter um carro Hyundai HB20, avaliado em 60 mil reais à época, e um imóvel na comunidade Parque Beira-Mar, avaliado em 80 mil.

A campanha de Fernanda à Câmara Municipal arrecadou mais de 110 mil reais, de acordo com declarado. Do total, 90,29% foram custeados pelo próprio partido.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.