CartaExpressa,Política

Ex-juíza de Haia compara caso de Bolsonaro com de ex-presidente do Sudão

Ex-juíza de Haia compara caso de Bolsonaro com de ex-presidente do Sudão

Sylvia Steiner citou condenação de sudanês por crimes de guerra e contra a humanidade: 'A justiça tarda, mas não falha'

Foto: EVARISTO SA / AFP

Foto: EVARISTO SA / AFP

A ex-juíza brasileira do Tribunal Penal Internacional de Haia, Sylvia Steiner, citou o caso de Omar al-Bashir, ex-presidente do Sudão, ao comentar as acusações contra o presidente Jair Bolsonaro que devem chegar à Corte.

Em entrevista ao UOL na quinta-feira 21, Sylvia lembrou que o sudanês foi condenado por crimes de guerra e contra a humanidade. “Falaram que ele nunca seria preso e, ao sair do cargo, ele está hoje preso no Sudão. A justiça tarda, mas não falha”, declarou.

No relatório final da CPI da Covid, os senadores imputaram a Bolsonaro nove delitos, entre eles o de crime contra a humanidade, que deve chegar ao tribunal.

“São processos que duram em média de três a cinco anos. Se há condenação, é pena de prisão de até 30 anos, dependendo do crime. Em excepcionalidade, é possível aplicar prisão perpétua”, esclareceu Sylvia.

Para ela, “o crime contra humanidade é a política utilizada para atingir parte da população civil”. “Pode ser ataque armado ou ataque por discriminação, pelas omissões que verificamos, descumprimento de decisões do STF [Supremo Tribunal Federal], mas faltou o que chamamos de elemento especial, que é a intenção de eliminar aquela população por essas condutas”, declarou.

 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem