CartaExpressa

Escritório de Salles fez operação suspeita de R$ 1,799 milhão, aponta Coaf

Escritório de Salles fez operação suspeita de R$ 1,799 milhão, aponta Coaf

Dados mostram que a operação realizada pelo escritório do ministro 'destoa do perfil histórico de operações'

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) apontou que o escritório de advocacia do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, realizou uma operação financeira suspeita de 1,799 milhão de reais após ele assumir a pasta no governo do presidente Jair Bolsonaro.

Os dados sigilosos, obtidos e divulgados pelo jornal O Globo, mostram que a operação realizada pelo escritório do ministro “destoa do perfil histórico de operações”.

Os documentos foram enviados para a Polícia Federal e serviram como prova para a Operação Akuanduba, deflagrada na semana passada com autorização do Supremo Tribunal Federal e que cumpriu busca e apreensão nos endereços de Salles.

O faturamento médio anual da banca jurídica identificado pelo órgão foi de 350 mil reais, mas, segundo o relatório, foram realizadas transações superiores à receita da sociedade formada entre Salles e a sua mãe, Diva Carvalho de Aquino.

“Suspeita-se da incompatibilidade entre o volume transacionado a crédito no período e o faturamento médio mensal de cadastro, aparentemente, indicando movimentação de recursos não declarados”, diz o Coaf.

A defesa do ministro nega as irregularidades.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem