CartaExpressa

‘Erro nosso’, diz Deltan sobre PowerPoint que colocava Lula como chefe da corrupção

‘Foi um erro de conta nosso sobre o modo que pode ter gerado uma interpretação equivocada’, disse em entrevista

Deltan Dallagnol e Lula. Fotos: Marcelo Camargo/Agência Brasil e AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-procurador Deltan Dallagnol admitiu que o PowerPoint feito pela operação Lava Jato sobre o ex-presidente Lula foi um erro de cálculo dos investigadores.

Em entrevista ao Flow podcast na segunda-feira 29, Dallagnol afirmou que a força-tarefa já tinha “feito ‘n’ entrevistas anteriores”, usando apresentações do tipo, mas sem a mesma repercussão. ​

“Erro de cálculo nosso… Foi um erro de conta nosso sobre o modo que pode ter gerado uma interpretação equivocada por parte da sociedade, mas a nossa intenção era de fazer exatamente o que a gente tinha feito em casos anteriores”, disse.

“A gente sempre tentou ser didático. A gente não acha que a pessoa tem que ter feito direito para entender de corrupção… a gente quer ser simples e levar informação simples para que a pessoa entenda qual é o problema e qual é a solução”, acrescentou.

Powerpoint Deltan Dallagnol faz apresentação de Powerpoint. Foto: Reprodução/Twitter

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.