CartaExpressa

Erika Hilton processa 50 pessoas que a difamaram nas redes sociais

Erika Hilton processa 50 pessoas que a difamaram nas redes sociais

Vereadora pede que o Facebook, o Twitter e o Instagram forneçam os registros e informações dos autores das mensagens

Vereadora Erika Hilton. Foto: Ravi Santana.

Vereadora Erika Hilton. Foto: Ravi Santana.

A vereadora Erika Hilton, do PSOL de São Paulo, entrou com um processo na Justiça para obter os dados de 50 contas de redes sociais utilizadas para difamá-la nos últimos seis meses. Entre os xingamentos, figuram ofensas racistas e transfóbicas.

A vereadora pede para que o Facebook, o Twitter e o Instagram forneçam os registros eletrônicos de acesso, com informações sobre usuário, IP de origem e demais rastreios a fim de identificar os autores das publicações.

 

 

“As ofensas e ameaças de cunho transfóbico, racista e machista têm evidente intuito de macular a honra da autora, causar-lhe transtornos psíquicos e emocionais, bem como incitar contra ela o desprezo público, além de pretender obstaculizar sua atuação política em torno da plataforma para a qual foi eleita”, diz a defesa de Hilton no processo.

O dossiê coletado para dar substância às acusações mostram termos como xingamentos como “ser desprezível”, “raça imunda”, “vagabunda”, “jumenta” e “traveco”, além de afirmações de que Erika, uma mulher trans, seria homem.

O valor pedido para cada pessoa processada devido a reparação por danos morais é de R$ 10 mil.

Hilton foi a vereadora mais votada nas eleições 2020 em São Paulo. Ela é a primeira mulher transgênero a ocupar um cargo no legislativo da capital paulista.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem