CartaExpressa

Empresa admite que vendedor de vacina que denunciou propina intermediou negociação

Empresa admite que vendedor de vacina que denunciou propina intermediou negociação

A Davati Medical Supply disse que Luiz Paulo Dominguetti Pereira esteve com Roberto Ferreira Dias, então diretor de Logística do Ministério

A Precisa Medicamentos intermediu a compra da vacina Covaxin, suspensa pela Anvisa. Foto: Indranil MUKHERJEE/AFP

A Precisa Medicamentos intermediu a compra da vacina Covaxin, suspensa pela Anvisa. Foto: Indranil MUKHERJEE/AFP

A Davati Medical Supply admitiu, em nota oficial, que Luiz Paulo Dominguetti Pereira intermediou uma negociação entre a empresa e o governo federal para compra de vacinas.

Dominguetti, que depõe nesta quinta-feira na CPI da Covid, revelou ao jornal Folha de S.Paulo ter recebido um pedido de propina de 1 dólar por dose do imunizante para fechar contrato com o Ministério da Saúde. O acordo teria sido proposto Roberto Ferreira Dias, então diretor de Logística da pasta.

“Nesse caso, ele apenas intermediou a negociação da empresa com o governo, apresentando o senhor Roberto Dias”, diz a nota.

“Sobre a denúncia relatada por Dominguetti, de que o Ministério da Saúde teria solicitado uma ‘comissão’ para a aquisição das vacinas, a Davati afirma que não tem conhecimento”, acrescenta.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem