CartaExpressa

Emicida: Só foi o Lula abrir a boca que ‘vagabundo’ começou a falar em vacina

Emicida: Só foi o Lula abrir a boca que ‘vagabundo’ começou a falar em vacina

Rapper disse ainda que, assim como Pabllo Vittar, também aceitaria cantar em eventual posse do ex-presidente em 2022

Créditos: Jef Delgado / Reprodução Facebook

Créditos: Jef Delgado / Reprodução Facebook

O cantor Emicida afirmou que prisão do ex-presidente Lula foi injustiça e que o petista põe “medo em medíocres”. O rapper concedeu entrevista ao jornalista Zeca Camargo, no UOL.

O artista disse ter ficado feliz quando Lula voltou a falar publicamente, logo após o Supremo Tribunal Federal ter anulado as condenações no âmbito da Operação Lava Jato e ter devolvido os seus direitos políticos.

“Foi só depois que ele  abriu a boca que [o presidente Jair] Bolsonaro usou máscara. Foi só depois que ele abriu a boca que vagabundo começou a falar de vacina”, declarou.

Emicida ainda afirmou ter sido uma “honra” poder contar com o prefácio do ex-presidente em seu livro, lançado em 2019. “Para quem já mordeu um cachorro por comida, até que eu cheguei longe”. O texto foi escrito enquanto Lula estava na cadeia.

O rapper também confirmou que poderia cantar na posse do petista, caso ele vença as eleições para presidente em 2022.

Confira o trecho do vídeo com a fala de Emicida:

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem