CartaExpressa,Política

Em evento, Bolsonaro se define como ‘o mito do leite condensado’

Em evento, Bolsonaro se define como ‘o mito do leite condensado’

'Deu barriga o leite condensado?', perguntou o presidente à primeira-dama

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Foto: Reprodução/Redes Sociais

O presidente Jair Bolsonaro se definiu nesta sexta-feira 29 como “o mito do leite condensado”, durante evento de lançamento dos Jogos Escolares Brasileiros.

Na cerimônia, o presidente também perguntou à primeira-dama, Michelle Bolsonaro: “Deu barriga o leite condensado?”.

 


A declaração é uma referência à cobertura sobre os gastos do governo com alimentos em 2020, que chegaram a 1,8 bilhão de reais. O valor é 20% superior ao montante gasto em 2019.

Só em alfafa, foram gastos mais de um milhão de reais (R$ 1.042.974,22). Em farelo, mais de 3 milhões (R$ 3.897.145,01). Com leite condensado, um dos alimentos prediletos de Bolsonaro, foram gastos mais de 15 milhões (R$ 15.641.777,49).

O Ministério da Defesa é a pasta que efetuou a maior parte das compras, 632 milhões no total. O Ministério da Educação aparece em segundo, com 60 milhões em compras de alimentos.

Em nota divulgada na quarta-feira 27, a Defesa apontou o “potencial energético” do leite condensado para justificar os gastos.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem