CartaExpressa

‘Doria é um desqualificado’, rebate Aécio Neves após ser chamado de covarde

‘Doria é um desqualificado’, rebate Aécio Neves após ser chamado de covarde

Em entrevista ao Roda Viva, o governador paulista disse que o colega é um 'pária dentro do PSDB'

Aécio Neves e João Doria. Fotos: Luis Macedo/Agência Câmara e Divulgação/Governo de SP

Aécio Neves e João Doria. Fotos: Luis Macedo/Agência Câmara e Divulgação/Governo de SP

O deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) chamou o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de “desqualificado” e disse que o tucano “perdeu as condições de ser candidato à própria reeleição”.

A nota foi emitida nesta terça-feira 24, no dia seguinte em que Doria chamou Aécio Neves de “covarde”, durante entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura.

 

 

Aécio Neves escreveu que Doria “acha que pode comprar o PSDB para satisfazer o seu fetiche de ser candidato a presidente da República” e acrescentou que “falta a ele dimensão e caráter para liderar qualquer projeto nacional”. Neves também disse que “de forma oportunista se ajoelhou aos pés de Bolsonaro implorando apoio, criando o inesquecível Bolsodoria, e tenta a todo custo fazer com que as pessoas se esqueçam disso”.

Na sequência, declara que Doria “traiu o seu padrinho político, Geraldo Alckmin, da forma mais covarde e humilhante possível, desrespeitando e atropelando a história do partido, para abrir caminho para a sua ambição”.

“A obsessão em me atacar é fruto da sua interpretação de que também sou um obstáculo a que ele se transforme em dono do PSDB”, continua. “Quanto às acusações que me fez, ele demonstra mais uma vez a sua leviandade. Fui vítima de uma armação criminosa que será desmascarada na Justiça.”

Neves afirmou que a sua vida pessoal já foi investigada e que não existe “um centavo de dinheiro público ou de origem duvidosa” do qual ele tenha sido beneficiado. Enquanto isso, diz ele, Doria “fez fortuna às custas de empresários através das doações milionárias feitas ao seu Lide” – em referência à entidade Grupo de Líderes Empresariais.

Neves também acusou Doria de enviar emissários pelo País para oferecer pagamentos de dívidas de campanhas passadas e financiamentos para campanhas futuras, com o objetivo de “comprar o resultado das prévias partidárias”.

“Tenta, a todo custo, transformar o PSDB num balcão de negócios. O PSDB não é o Lide, Sr. João Doria, o PSDB não está à venda”, escreveu Neves. “O PSDB é fruto de uma construção coletiva, da qual participo há cerca de 30 anos. Não vamos permitir que ele seja tomado por um arrivista, cujo único objetivo é satisfazer seu próprio ego e sua ambição doentia.”

Doria, que disputa eleições internas do PSDB para a Presidência da República, havia dito ao Roda Viva que Neves é uma “pária dentro do PSDB” e que deveria pedir afastamento do partido por conta de denúncias de corrupção. A executiva do PSDB rejeita o afastamento de Neves.

“Aécio Neves tem a síndrome da derrota”, disse Doria. “E começou a sua pior derrota naquele triste telefonema para um empresário aqui em São Paulo pedindo propina. Eu entendo que pessoas que pedem propina a empresário do meu partido deveriam se afastar.”

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem