CartaExpressa

Doria desiste da Presidência: ‘Me retiro da disputa com o coração ferido’

‘Serenamente, entendo que não sou a escolha da cúpula do PSDB’, lamentou o tucano durante o anúncio

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O ex-governador João Doria (PSDB) anunciou nesta segunda-feira 23 que não é mais pré-candidato à Presidência da República. A desistência foi formalizada em pronunciamento transmitido ao vivo nas redes sociais. No anúncio, o tucano disse ‘estar com o coração ferido’ por não ter sido a escolha da cúpula do partido para a disputa eleitoral em outubro de 2022.

“Coloquei meu nome a disposição, mas hoje, neste 23 de maio, serenamente, entendo que não sou a escolha da cúpula do PSDB. Aceito esta realidade com a cabeça erguida”, disse Doria após agradecer os votos nas prévias e os eleitores que indicavam nas pesquisas a intenção de escolher sua candidatura. “Sou um homem que respeita o bom senso, o diálogo e o equilíbrio. Sempre buscarei o consenso mesmo que ele seja contrário a minha vontade pessoal”, acrescentou em seguida o tucano.

Mais adiante, para não restar dúvidas, Doria reafirmou, sem meias palavras, estar retirando o seu nome da disputa. Ao repetir o anúncio, disse estar de ‘coração ferido’. Ao fim, ensaiou uma expressão de quase choro em meio aos aplausos dos correligionários.

Me retiro da disputa com o coração ferido, mas com a alma leve. Me retiro com a sensação de dever cumprido e missão bem realizada, com boa gestão e sem corrupção”, disse Doria sem novos rodeios.

No discurso, o tucano não deixou claro se ainda será indicado do partido ao cargo vice na chapa de Simone Tebet (MDB), que deverá receber o apoio formal do PSDB e do Cidadania nesta terça-feira 24. A senadora foi escolhida por ter maior potencial de voto e menor rejeição em uma pesquisa interna do PSDB.

Sobre a composição, o ex-governador disse apenas que “o PSDB saberá tomar a melhor decisão no seu posicionamento para as eleições deste ano”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.