CartaExpressa

Doria chama Bolsonaro de psicopata e aposta em segundo turno contra Lula

Doria chama Bolsonaro de psicopata e aposta em segundo turno contra Lula

'Não raciocina com normalidade, não costuma ouvir nem aceitar conselhos, trabalha por um instinto belicoso, fracionado', afirma

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Foto: GOVSP

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Foto: GOVSP

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou que o presidente Jair Bolsonaro não deve estar no segundo turno da eleição nacional de 2022. Para o tucano, o ex-presidente Lula, por outro lado, tem praticamente uma vaga garantida.

“A meu ver, a cada dia que passa o presidente Bolsonaro perde um degrau na escada que poderia conduzi-lo ao segundo turno. Ele está se distanciando do segundo turno”, afirmou Doria em entrevista ao Valor Econômico.

“O ex-presidente Lula mantém-se equilibrado e numa linha de estabilidade que poderá levá-lo ao segundo turno com outro candidato que não Bolsonaro, e esse outro candidato poderá ser exatamente um candidato da ‘melhor via’, que seja capaz de, fortalecido, por exemplo, pelas prévias, no caso do PSDB, dialogar com consistência com outros partidos e trabalhar para um projeto pelo Brasil”, acrescentou.

Na conversa, o governador chamou Bolsonaro de “psicopata” que não “toma decisões normais”.

“Não raciocina com normalidade, não costuma ouvir nem aceitar conselhos, trabalha por instinto, um instinto belicoso, fracionado, criador de problemas. Cada vez que fala gera uma onda contra ele. Bolsonaro é o maior produtor de fatos contra ele”, declarou.

“Não estamos diante de um presidente normal, que às vezes erra. Estamos diante de um anormal, que comete sucessivos equívocos. Alguém deve ter dito a ele “destrua o Brasil”. E ele está destruindo”, reforçou na entrevista.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem