CartaExpressa

Dino vota por condenar 15 réus do 8 de Janeiro a penas de 14 a 17 anos de prisão

São os primeiros votos do ex-ministro da Justiça em ações penais contra envolvidos na depredação das sedes dos Três Poderes

STF realiza no Plenário sessão solene de posse de Flávio Dino como ministro da Corte - Fotos- Gustavo Moreno-SCO-STF
Apoie Siga-nos no

O ministro do Supremo Tribunal Federal Flávio Dino votou, nesta quinta-feira 29, por condenar 15 réus denunciados por participação nos atos golpistas de 8 de Janeiro de 2023.

São os primeiros votos do ex-ministro da Justiça em ações penais contra envolvidos na depredação das sedes dos Três Poderes.

Dino seguiu os votos do relator, Alexandre de Moraes, em defesa de penas entre 14 e 17 anos de prisão. Os réus foram denunciados por cinco crimes pela Procuradoria-Geral da República:

  • abolição violenta do Estado Democrático de Direito;
  • dano qualificado;
  • golpe de Estado;
  • deterioração do patrimônio tombado; e
  • associação criminosa.

Até o momento, as denúncias apresentadas pela PGR resultaram em 101 condenações.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.