CartaExpressa

Dino: ‘Bolsonaro perderá, mas precisamos que o bolsonarismo volte para sua casinha’

‘Pode botar todo o dinheiro do orçamento secreto, ele vai perder a eleição. Agora vai ser um baile? Vai ser massacre? Acho que não’, avaliou o ex-governador

Flávio Dino e Jair Bolsonaro. Fotos: Divulgação - Marcos Corrêa/PR
Flávio Dino e Jair Bolsonaro. Fotos: Divulgação - Marcos Corrêa/PR
Apoie Siga-nos no

O ex-governador do Maranhão e pré-candidato ao Senado Flávio Dino (PSB) aposta que o presidente Jair Bolsonaro (PL) será derrotado na eleição de outubro deste ano. No entanto, para o socialista, o campo democrático precisa ir além de vencer o ex-capitão.

“Bolsonaro perderá, mas nós precisamos que também o bolsonarismo volte para a sua casinha”, afirmou Dino em entrevista publicada nesta segunda-feira 18 pelo jornal Valor Econômico. “[Precisamos] que o demônio volte para o inferno. Para isso, é preciso que haja mais exorcistas em ação”.

Em sua leitura, o presidente ainda pode ser ameaçado na disputa por um candidato da chamada Terceira Via. O ex-governad0r diz haver “uma margem de imprevisibilidade que joga contra Bolsonaro”.

“Qualquer coisa que se consolide fora do bolsonarismo atrapalha o crescimento dele”, avalia. “A terceira via só cresce disputando pelo campo da direita. O que drenou a energia vital do pensamento de centro-direita no Brasil não foi o Lula, não foi a esquerda, foi a extrema direita, foi o bolsonarismo”. De acordo com o ex-governador, a terceira só sobreviverá se combater o bolsonarismo. “Eu espero que eles tenham êxito.

Na conversa, Dino ainda disse que a disputa deste ano não terá o antipetismo como questão central, como ocorreu na eleição de 2018.

“O povo sabe que uma reeleição é um plebiscito, se o presidente deve continuar ou não. A chave predominante agora, quem está em julgamento, é o Bolsonaro”, afirma. “A pergunta que vai decidir a eleição é: Bolsonaro merece mais quatro anos ou não? Pode botar todo o dinheiro do orçamento secreto, ele vai perder a eleição. Agora vai ser um baile? Vai ser massacre? Acho que não, tem muita disputa.”

O ex-governador ainda elogiou a escolha do ex-governador Geraldo Alckmin (PSB) como vice na chapa do ex-presidente Lula (PT).

“Como você contrasta o extremismo? Com amplitude, e aí tem que ter uma permeabilidade em relação à sociedade, inclusive programática. Não basta você juntar pessoas, siglas. É preciso que você tenha modulação programática”, defendeu.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.