CartaExpressa,Economia

Desemprego cai, mas ainda atinge 13,7 milhões de brasileiros, diz IBGE

Desemprego cai, mas ainda atinge 13,7 milhões de brasileiros, diz IBGE

De acordo com o instituto, o rendimento real habitual caiu; número de trabalhadores por conta própria foi recorde

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

A taxa de desemprego no Brasil ficou em 13,2 no trimestre encerrado em agosto e atingiu 13,7 milhões de pessoas, divulgou nesta quarta-feira 27 o IBGE.

No levantamento anterior, referente ao trimestre encerrado em julho, a taxa de desemprego estava em 13,7%, atingindo 14,1 milhões de pessoas.

A população ocupada (90,2 milhões de pessoas), segundo o instituto, cresceu 4,0% (mais 3,5 milhões de pessoas) ante o trimestre móvel encerrado em maio e subiu 10,4% (mais 8,5 milhões) no ano.

Já a taxa de informalidade foi de 41,1% da população ocupada, ou 37,1 milhões de trabalhadores informais. No trimestre anterior, a taxa havia sido de 40,0% e no mesmo trimestre de 2020, de 38,0%.

O número de trabalhadores por conta própria (25,4 milhões de pessoas) foi recorde da séria histórica, com altas de 4,3% (mais 1,0 milhão de pessoas) no trimestre e de 18,1% (3,9 milhões de pessoas) na comparação anual.

O IBGE também informou que o rendimento real habitual  (2.489 reais) caiu em ambas as comparações: -4,3% frente ao trimestre anterior e -10,2% frente a igual período de 2020. Foram as maiores quedas percentuais da série histórica, em ambas as comparações. A massa de rendimento real habitual  (219,2 bilhões de reais) ficou estável em ambas as comparações.

O número de trabalhadores por conta própria (25,4 milhões de pessoas) foi recorde da séria histórica, com altas de 4,3% (mais 1,0 milhão de pessoas) no trimestre e de 18,1% (3,9 milhões de pessoas) na comparação anual.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Post Tags
Compartilhar postagem