CartaExpressa

Deputados da base aliada assinam pedido de impeachment contra Lula

Texto encabeçado pelo PL afirma que presidente cometeu crime de responsabilidade em três ocasiões

Foto: Evaristo SA/AFP
Apoie Siga-nos no

Quatro deputados filiados a partidos da base aliada do governo assinam um novo pedido de impeachment protocolado contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O texto, apresentado à Câmara dos Deputados nesta terça-feira 6, é de autoria do deputado Ubiratan Sanderson (PL-RS) e conta com 47 assinaturas.

Embora os partidos PSD, MDB, e União Brasil tenham, no total, nove ministérios no novo governo, os Thiago Flores (MDB-RO), Delegado Palumbo (MDB-SP), Sargento Fahur (PSD-PR) e Rodrigo Valadares (União Brasil-SE) assinam o documento contra o presidente da República. A atitude não surpreende, visto que as bancadas desses partidos têm votado seguidamente contra os interesses do governo na Câmara.

No pedido de impeachment, Sandersons argumenta que Lula cometeu crime de responsabilidade ao indicar seu advogado, Cristiano Zanin, para a vaga no Supremo Tribunal Federal, ao receber Nícolas Maduro no Brasil e ao declarar que a Venezuela é vítima de “narrativas” construídas por opositores.

O requerimento assinado não tem efeito imediato e precisará da permissão do presidente da Câmara, Arthur Lira, para tramitar na Casa. Este é o sexto pedido protocolado que solicita a saída de Lula do cargo.

Confira o pedido na íntegra:

pedido-impeachment-lula-sanderson-06-06-2023

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.