CartaExpressa

Deputado bolsonarista erra local de tragédia ao cobrar Lula por medida já tomada

Nikolas Ferreira foi o parlamentar mais votado nas últimas eleições; até o momento da publicação desta matéria, ele não corrigiu os erros da sua publicação

Créditos: Reprodução Instagram
Apoie Siga-nos no

O deputado federal Nikolas Ferreira (PL-MG) cobrou, nesta quarta-feira 22, o governo federal para que o FGTS fosse liberado aos afetados pelas chuvas no litoral norte de São Paulo. Acontece, porém, que a medida já foi adotada pela atual gestão desde segunda-feira, conforme anunciado por Simone Tebet, ministra do Planejamento.

Na publicação, além da cobrança injustificada, o parlamentar ainda errou o local da tragédia. No texto escreve que Lula não teria tomado ações para atender os moradores da Baixada Santista. As chuvas, porém, afetaram o Litoral Norte do estado e não a região citada por Ferreira.

O parlamentar, importante lembrar, foi o deputado mais votado na última eleição. Até o momento da publicação desta matéria, não corrigiu os erros da sua publicação. Colegas de Câmara dos Deputados e outros internautas agora cobram uma retratação de Ferreira.

“A desinformação é um problema crônico do bolsonarismo. Esse resolveu cobrar HOJE uma medida que Lula anunciou 2 dias atrás. Ignorância ou má fé?”, escreveu Guilherme Boulos (PSOL-SP), segundo mais votado na última eleição. Na resposta a Ferreira, ele também citou o erro geográfico cometido pelo deputado.

Até aqui, além do FGTS, o governo federal antecipou o pagamento do Bolsa Família e estuda conceder valores adicionais para os moradores de cidades atingidas pelas fortes chuvas no estado. Há ainda a determinação de que os afetados tenham prioridade no programa habitacional Minha Casa, Minha Vida. O INSS também antecipou os benefícios para moradores das cidades atingidas por determinação do ministro da Previdência, Carlos Lupi.

Em outra frente de ações, o governo Lula enviou 7 milhões de reais para São Sebastião, município mais afetado pelo temporal. Outros 2 milhões já haviam sido liberados no final de semana. O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, também comunicou na segunda-feira que determinou a entrega de produtos apreendidos pela Receita Federal que possam ser usados no atendimento às vítimas da tragédia.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.