CartaExpressa,Política

Depoimentos na CPI apontam que Bolsonaro foi o maior responsável, diz senador

Depoimentos na CPI apontam que Bolsonaro foi o maior responsável, diz senador

A avaliação é de Alessandro Vieira, que cita o investimento em cloroquina e o desestímulo às medidas de restrição como exemplos

Foto: EVARISTO SA / AFP

Foto: EVARISTO SA / AFP

Os depoimentos dos ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, na CPI da Covid, apontam para o presidente Jair Bolsonaro como o maior responsável pela crise sanitária que o Brasil enfrenta.

A avaliação é do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que cita o investimento em cloroquina e o desestímulo às medidas de restrição como exemplos da política adotada pelo governo federal na pandemia.

“Os depoimentos foram positivos, no sentido de delimitar a cadeia de comando, apontando o presidente Bolsonaro como diretamente responsável por escolhas como o investimento em cloroquina e o desestímulo às medidas de restrição destinadas a reduzir a circulação do vírus, mesmo alertado sobre os riscos dessas escolhas que contrariam as evidências científicas disponíveis”, disse o senador em conversa com CartaCapital.

Nesta quinta-feira 6, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e o presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, vão depor à Comissão que investiga as ações e omissões da gestão de Bolsonaro na pandemia.

Ontem, o senadores aprovaram as convocações do ex-secretário de Comunicação da Presidência Fábio Wajngarten e do ex-chanceler Ernesto Araújo.

Os membros da Comissão ainda avalizaram os depoimentos do diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, e da presidenta da Fiocruz, Nísia Trindade.

Na terça-feira 11, serão ouvidos Wajngarten e representantes da farmacêutica norte-americana Pfizer. Na quarta-feira 12, será a vez de Covas e Trindade. Um dia depois, os senadores receberão Ernesto Araújo e Fernando de Castro, representante da União Química.

No caso de Wajngarten, os parlamentares esperam obter esclarecimentos sobre as negociações com a Pfizer para a compra de vacinas. Em recente entrevista à revista Veja, o ex-secretário apontou “incompetência” do Ministério da Saúde nas tratativas.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor do site de CartaCapital. Twitter: Alisson_Matos

Compartilhar postagem