CartaExpressa

Depoimentos na CPI apontam que Bolsonaro foi o maior responsável, diz senador

A avaliação é de Alessandro Vieira, que cita o investimento em cloroquina e o desestímulo às medidas de restrição como exemplos

Foto: EVARISTO SA / AFP
Foto: EVARISTO SA / AFP

Os depoimentos dos ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, na CPI da Covid, apontam para o presidente Jair Bolsonaro como o maior responsável pela crise sanitária que o Brasil enfrenta.

A avaliação é do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que cita o investimento em cloroquina e o desestímulo às medidas de restrição como exemplos da política adotada pelo governo federal na pandemia.

“Os depoimentos foram positivos, no sentido de delimitar a cadeia de comando, apontando o presidente Bolsonaro como diretamente responsável por escolhas como o investimento em cloroquina e o desestímulo às medidas de restrição destinadas a reduzir a circulação do vírus, mesmo alertado sobre os riscos dessas escolhas que contrariam as evidências científicas disponíveis”, disse o senador em conversa com CartaCapital.

Nesta quinta-feira 6, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e o presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, vão depor à Comissão que investiga as ações e omissões da gestão de Bolsonaro na pandemia.

Ontem, o senadores aprovaram as convocações do ex-secretário de Comunicação da Presidência Fábio Wajngarten e do ex-chanceler Ernesto Araújo.

Os membros da Comissão ainda avalizaram os depoimentos do diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, e da presidenta da Fiocruz, Nísia Trindade.

Na terça-feira 11, serão ouvidos Wajngarten e representantes da farmacêutica norte-americana Pfizer. Na quarta-feira 12, será a vez de Covas e Trindade. Um dia depois, os senadores receberão Ernesto Araújo e Fernando de Castro, representante da União Química.

No caso de Wajngarten, os parlamentares esperam obter esclarecimentos sobre as negociações com a Pfizer para a compra de vacinas. Em recente entrevista à revista Veja, o ex-secretário apontou “incompetência” do Ministério da Saúde nas tratativas.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!