CartaExpressa

Deltan ironizou foto de Lula em denúncia do PowerPoint

Procurador, no entanto, foi contrário ao uso da imagem do ex-presidente; ele preferia o nome

Foto: Evaristo SA/AFP Deltan Dallagnol. Foto: Evaristo SA/AFP
Foto: Evaristo SA/AFP Deltan Dallagnol. Foto: Evaristo SA/AFP

A primeira denúncia da operação Lava Jato contra o ex-presidente Lula, que envolveu a apresentação em um PowerPoint, gerou uma discussão entre procuradores sobre o uso da foto do petista ou não. A informação é do UOL.

De acordo com mensagens, obtidas a partir de arquivo apreendido com hackers pela Polícia Federal em 2019, Deltan Dallagnol foi contra o uso da imagem de Lula.

 

Em 13 de setembro de 2016, o coordenador da força-tarefa escreveu: “melhor não usarmos a imagem do Lula, mas um quadrado escrito LULA simplesmente”. “Ou uma imagem de pessoa como as demais do gráfico, e embaixo LULA. Tá ficando shou“, disse.

No dia seguinte, a denúncia contra Lula, a respeito do tríplex no Guarujá, foi apresentada à imprensa. Na ocasião, Dallagnol afirmou que o petista seria “o comandante máximo” de esquemas de corrupção.

Um interlocutor identificado como “Douglas Prpr”, no 13 de setembro, disse que durante a criação do gráfico a foto fora incluída como uma brincadeira “só para tirar onda”. “Já falei que não podemos deixar.”

Na sequência, Dallagnol respondeu com”kkk”. Após a apresentação da denúncia, Douglas escreveu: “as bolinhas fizeram sucesso…” e Deltan respondeu com um novo “kkk”.

Deltan apresenta a denúncia contra Lula em 2016. Foto: Reprodução

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!