CartaExpressa

Delegado youtuber é indiciado por crime de peculato

Delegado youtuber é indiciado por crime de peculato

Segundo a polícia, ele usou da corporação em benefício próprio, como rentabilizar seus canais nas redes sociais

Na imagem, Da Cunha aparece prendendo o suposto 'Jagunço do Savoy'. A operação seria uma invenção.

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Na imagem, Da Cunha aparece prendendo o suposto 'Jagunço do Savoy'. A operação seria uma invenção. Foto: Reprodução/Redes Sociais

A Corregedoria da Polícia Civil de São Paulo indiciou, na noite da quinta-feira 23, o delegado Carlos Alberto da Cunha, conhecido como Da Cunha, por suspeita de peculato, crime em que o funcionário público, em razão do cargo que ocupa, desvia bens públicos em benefício próprio ou de terceiros. A pena prevista é de 2 a 12 anos de reclusão, além de multa.

Segundo os policiais que comandam a investigação, Da Cunha usou da estrutura da Polícia Civil para gravar vídeos de operações oficiais e rentabilizar o seu canal no Youtube, que conta com mais de 3 milhões de inscritos.

Um dos vídeos veiculados era sobre um suposto estouro de um cativeiro na favela Nhocunée, zona lesta da capital de São Paulo. Uma matéria da Folha de S.Paulo, no entanto, que teve acesso a depoimentos de demais policiais e da própria vítima ao Ministério Público, mostrou que o vídeo foi encenado para que Da Cunha saísse como autor. Na quarta-feira, durante uma live em seus canais, o delegado, afastado de suas funções desde julho, assumiu que encenou a invasão do cativeiro com o objetivo de fazer uma ‘reprodução simulada dos fatos’.

Com o indiciamento, Da Cunha passa a ser considerado suspeito pelo crime. A apuração da investigação será encaminhada ao Ministério Público que pode decidir por pedir mais informações, denunciá-lo à Justiça, ou solicitar o arquivamento se entender que não há crime.

O delegado afastado também é alvo de uma investigação pelo Ministério Público que investiga possível enriquecimento ilícito.

Da Cunha nega as acusações e, em suas redes sociais, segue desqualificando as investigações e notícias que saem a seu respeito.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem