CartaExpressa

Covid-19: Médico francês defensor da cloroquina admite que estava errado

Covid-19: Médico francês defensor da cloroquina admite que estava errado

No Brasil, o presidente Jair Bolsonaro defende o tratamento precoce com o fármaco, mesmo sem eficácia comprovada

Foto: Foto: GERARD JULIEN / AFP

Foto: Foto: GERARD JULIEN / AFP

O médico francês Didier Raoult, notório defensor do uso de cloroquina no tratamento da Covid-19, admitiu que o medicamento não reduz a mortalidade ou agravamento da doença.

“As necessidades de oxigenoterapia, a transferência para UTI e o óbito não diferiram significativamente entre os pacientes que receberam hidroxicloroquina com ou sem azitromicina e os controles feitos apenas com tratamento padrão”, reconheceu Raoult em nota assinada por toda sua equipe, de acordo com o jornal Le Figaro.

Em março de 2020, ele publicou um suposto estudo sobre a eficácia da cloroquina contra a Covid, o que não é comprovado.

No Brasil, o presidente Jair Bolsonaro defende o tratamento precoce com o fármaco. Cientistas de todo o mundo afirmam que não há efetividade.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem