CartaExpressa

Cotados para a próxima vaga no STF marcam presença na posse de Zanin

A ministra Rosa Weber, presidente da Corte, terá de se aposentar em outubro

Cristiano Zanin e Flávio Dino em cerimônia no STF. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A posse de Cristiano Zanin como ministro do Supremo Tribunal Federal, nesta quinta-feira 3, reuniu alguns dos cotados para ocupar a próxima vaga a ser aberta na Corte, com a aposentadoria da ministra Rosa Weber, em outubro.

Estiveram no plenário do STF nesta tarde:

  • o presidente do Tribunal de Contas da União, Bruno Dantas;
  • o corregedor nacional de Justiça, Luís Felipe Salomão;
  • o ministro da Advocacia-Geral da União, Jorge Messias;
  • e o ministro da Justiça, Flávio Dino.

Também marcaram presença Simone Schreiber, juíza do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, e Benedito Gonçalves, corregedor-geral da Justiça Eleitoral.

Na quarta-feira 2, em entrevista a CartaCapital, Dino afirmou que “neste momento” não está em seus planos uma cadeira no Supremo.

“Não trato do assunto com o presidente da República, nem ele comigo”, destacou. “Claro que é honroso, porque é um reconhecimento de uma trajetória profissional de 33 anos, com seriedade. Fico feliz, agradeço, não é um desdém, porque o desdém é feio e arrogante. Claro que ser ministro do STF é bom, ou ser cogitado, citado. Mas não desvio meu caminho em relação ao principal, que é ajudar o presidente e ajudar o Brasil.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar