CartaExpressa

Coronavac é a que mais previne mortes, diz estudo de ex-secretário da Saúde

Números foram levantados por Wanderson de Oliveira por meio do OpenDataSus, do Ministério da Saúde

A vacina Coronavac. Foto: Nelson Almeida/AFP
Apoie Siga-nos no

Uma pesquisa sobre a eficácia das vacinas anti-Covid-19 indica que a Coronavac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, é a que mais protege contra casos graves da doença, prevenindo até 97% das mortes de infectados.

O levantamento foi realizado e divulgado por Wanderson de Oliveira, ex-secretário Nacional de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde. Atualmente, ele ocupa o posto de secretário de Serviços Integrados de Saúde do Supremo Tribunal Federal. O estudo se baseou em dados do sistema OpenDataSus, do próprio ministério.

A pesquisa também analisou os índices de eficácia contra casos graves de outros imunizantes: AstraZeneca (90%), Pfizer (80%), Janssen (85%) e Sputnik V (85%).

“Coronavac protege e não deve ser interrompida, até que o contrato seja cumprido. Será um escândalo se o Ministério da Saúde interromper a vacinação contra a Covid-19 utilizando Coronavac”, escreveu Wanderson de Oliveira nas redes sociais.

Ao mencionar a possível ‘interrupção’ no uso da Coronavac, Oliveira se refere a uma reportagem publicada no sábado 19 pelo jornal Correio Braziliense. O veículo noticiou que estaria em andamento na Saúde a criação de um plano para encerrar a compra do imunizante e reforçar a aquisição de vacinas da AstraZeneca e da Pfizer.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.