CartaExpressa,Saúde

Coronavac é a que mais previne mortes, diz estudo de ex-secretário da Saúde

Coronavac é a que mais previne mortes, diz estudo de ex-secretário da Saúde

A vacina Coronavac. Foto: Nelson Almeida/AFP

A vacina Coronavac. Foto: Nelson Almeida/AFP

Uma pesquisa sobre a eficácia das vacinas anti-Covid-19 indica que a Coronavac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, é a que mais protege contra casos graves da doença, prevenindo até 97% das mortes de infectados.

O levantamento foi realizado e divulgado por Wanderson de Oliveira, ex-secretário Nacional de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde. Atualmente, ele ocupa o posto de secretário de Serviços Integrados de Saúde do Supremo Tribunal Federal. O estudo se baseou em dados do sistema OpenDataSus, do próprio ministério.

A pesquisa também analisou os índices de eficácia contra casos graves de outros imunizantes: AstraZeneca (90%), Pfizer (80%), Janssen (85%) e Sputnik V (85%).

“Coronavac protege e não deve ser interrompida, até que o contrato seja cumprido. Será um escândalo se o Ministério da Saúde interromper a vacinação contra a Covid-19 utilizando Coronavac”, escreveu Wanderson de Oliveira nas redes sociais.

Ao mencionar a possível ‘interrupção’ no uso da Coronavac, Oliveira se refere a uma reportagem publicada no sábado 19 pelo jornal Correio Braziliense. O veículo noticiou que estaria em andamento na Saúde a criação de um plano para encerrar a compra do imunizante e reforçar a aquisição de vacinas da AstraZeneca e da Pfizer.

 

 

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem