CartaExpressa

Copa América: Queiroga contradiz o general Ramos e afirma que vacinação de jogadores não é obrigatória

‘Todos vacinados, foi a imposição que nós tratamos com a CBF’, disse o ministro-chefe da Casa Civil no fim de maio

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, declarou nesta segunda-feira 7 que a vacinação das delegações estrangeiras que virão ao Brasil para a disputa da Copa América não será obrigatória. A afirmação contradiz um comunicado feito pelo ministro-chefe da Casa Civil, o general Luiz Eduardo Ramos, em 31 de maio.

“Exigir-se a vacinação ou vacinar os atletas neste momento não traria imunidade até o início da competição”, disse Queiroga entrevista coletiva. “Não será uma imposição a questão da vacina. Os que estiverem vacinados, melhor, mas não se fará um esforço maior para se vacinar esses atletas agora, até porque a vacina poderia causar algum tipo de reação e isso poderia comprometer o ritmo competitivo dos jogadores”.

No dia em que a Conmebol anunciou o Brasil como sede da Copa América, Luiz Eduardo Ramos afirmou que a imunização das 10 delegações que competirão no País seria obrigatória.

“Esse evento, caso se realize, não terá público. No momento, são 10 times, dois grupos, 65 pessoas por delegação. Todos vacinados, foi a imposição que nós tratamos com a CBF. Até agora não há documento firmado, apenas essas tratativas. A seleção brasileira também será vacinada”, declarou Ramos na ocasião.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.