CartaExpressa

Conselho Federal de Medicina diz que não mudará parecer sobre o tratamento precoce

Presidente da instituição admite, no entanto, que a ciência ainda não concluiu de maneira definitiva se existe algum benefício ou não

Hidroxicloroquina. Foto: AFP. hidroxicloroquina. Foto: AFP.
Hidroxicloroquina. Foto: AFP. hidroxicloroquina. Foto: AFP.

O presidente do Conselho Federal de Medicina, Mauro Luiz de Britto Ribeiro, afirmou em artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo que a instituição não mudará parecer que dá autonomia sobre o tratamento precoce para Covid-19.

No texto, o presidente do CFM cita a hidroxicloroquina, a ivermectina e a azitromicina e admite que “a ciência ainda não concluiu de maneira definitiva se existe algum benefício ou não com o uso desses fármacos”.

Como defesa, Mauro Luiz diz “que é decisão do médico assistente realizar o tratamento que julgar adequado, desde que com a concordância do paciente infectado —elucidando que não existe benefício comprovado no tratamento farmacológico dessa doença e obtendo o consentimento livre e esclarecido”.

CartaCapital

CartaCapital

Tags: , , ,

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!