CartaExpressa

Conselho da Justiça Federal volta a instituir benefício salarial extinto há 16 anos a juízes

O Adicional por Tempo de Serviço, também chamado de ‘quinquênio’, aumenta em 5% o salário dos magistrados

Apoie Siga-nos no

O Conselho da Justiça Federal voltou a instituir, após mais de 16 anos de extinção, o Adicional por Tempo de Serviço, um benefício que aumenta em 5% os salários dos juízes federais.

As informações são do jornal O Estado de São Paulo. 

Os magistrados também receberão o pagamento retroativo da regalia corrigido pela inflação desde 2006, quando o Conselho Nacional de Justiça extinguiu o penduricalho.

A decisão do conselho, de acordo com a reportagem, atende a um pedido da Associação dos Juízes Federais e foi aprovado por sete votos a quatro. A relatora do caso, a ministra do Superior Tribunal de Justiça Maria Thereza de Assis Moura, se posicionou contra voltar a pagar o benefício.

Para ela, o ATS foi absorvido pelo regime de subsídios adotado na magistratura, que não prevê gratificações e adicionais fora do teto, o que não permitiria o pagamento da benesse. Assis Moura citou, ainda, o voto proferido pela ministra Rosa Weber durante o julgamento que extinguiu o benefício.

“Entendo que se inclui, sim, para efeito de observância do teto constitucional, qualquer verba remuneratória paga com recursos públicos, ainda que pertinente a vantagens pessoais. Nessa linha, a Constituição não só autoriza como exige o cômputo – para efeito de incidência do teto remuneratório sobre os proventos de aposentadoria recebidos pelo autor –, de adicionais por tempo de serviço (quinquênios), sexta parte, prêmio de produtividade e gratificações, ainda que qualificados neste feito de forma incontroversa, pelas partes, como vantagens de natureza pessoal por ele percebidas antes do advento da Emenda Constitucional nº 41/2003.”

Os demais integrantes do CJF que se posicionaram favoravelmente sobre o pagamento do ‘quinquênio’ argumentaram que, apesar de o teto da magistratura existir, isso não possibilitaria, nas palavras da desembargadora federal Mônica Sifuentes, “a supressão de vantagens pessoais remuneratórias protegidas pelo direito adquirido, entre elas o ATS”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar