CartaExpressa

Compra da Coronavac foi interrompida após declaração de Bolsonaro, diz Covas

Compra da Coronavac foi interrompida após declaração de Bolsonaro, diz Covas

Eu fui convidado para uma cerimônia em que a vacina seria anunciada. A partir desse ponto é notório que houve uma inflexão, revela

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

O diretor do Butantan, Dimas Covas, revelou nesta quinta-feira 27, durante depoimento à CPI da Covid, que solicitou ao governo federal um valor 80 milhões de reais para a produção da Coronavac, mas que não foi atendido.

Na Comissão, Covas afirmou ainda que, após manifestação do presidente Jair Bolsonaro contra o imunizante, as tratativas de compra com o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, não foram adiante.

“Houve intensas tratativas com as equipes técnicas do ministério. No dia 20 de outubro, eu fui convidado por Pazuello para uma cerimônia em que a vacina seria anunciada”, declarou.

“A partir desse ponto é notório que houve uma inflexão. Por que infelizmente as conversações que deveriam seguir no dia seguinte, não prosseguiram. Houve uma manifestações do presidente dizendo que a vacina não seria incorporada”, reforçou.

Assista ao vivo:

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem