CartaExpressa

Comerciante bolsonarista espanca quilombola no Rio Grande do Norte

Comerciante bolsonarista espanca quilombola no Rio Grande do Norte

A governadora Fátima Bezerra anunciou que pediu apuração imediata sobre o caso para as polícias militar e civil

Créditos: Divulgação

Créditos: Divulgação

Um comerciante da cidade potiguara de Porto Alegre, no Rio Grande do Norte, foi filmado espancando um quilombola em situação de rua no sábado 11. Deitado com os pés e mãos amarrados, e com o rosto virado para o chão, Luciano Simplício leva chutes violentos do comerciante Alberan de Freitas Epifânio.

Segundo informações do portal local Mossoró Hoje, Alberan teria espalhado a informação de que o quilombola era ladrão e estava sempre drogado. Luciano teria reagido atirando pedras no estabelecimento do comerciante, o mercadinho Eduarda.

No vídeo, é possível ouvir duas mulheres que conversam com o comerciante enquanto ele pratica a violência contra o homem imobilizado. Uma delas diz “ele quer linchar”. Alberan, em seguida, desfere mais um chute nas costas do homem caído e uma outra mulher pede ” não mate, não”. O comerciante responde: “Mato, mato ele. O que é meu eu tenho o direito de defender.”

 


 

Ao saber do caso, a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, anunciou que determinou apuração imediata da Polícia Militar e da Polícia Civil. “O Governo do Rio Grande do Norte não será conivente e não compactuará com manifestações eivadas de discriminação, intolerância, ódio e abusos de quaisquer naturezas”, escreveu no Twitter.

 

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem