CartaExpressa

Cidade do Rio suspende 2ª dose da Coronavac e diz que governo Bolsonaro tem 10 milhões de vacinas estocadas

Cidade do Rio suspende 2ª dose da Coronavac e diz que governo Bolsonaro tem 10 milhões de vacinas estocadas

A vacina Coronavac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. Foto: CARL DE SOUZA/AFP

A vacina Coronavac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. Foto: CARL DE SOUZA/AFP

A Prefeitura do Rio de Janeiro anunciou uma interrupção na aplicação da 2ª dose da Coronavac a partir desta quinta-feira 2. A Secretaria Municipal de Saúde responsabilizou o Ministério da Saúde e disse que a medida foi tomada por falta de doses.

“Considerando que nesta semana o Ministério da Saúde ainda não entregou nenhuma remessa de CoronaVac, a SMS-Rio se vê obrigada, por falta de doses, a mais uma vez suspender a aplicação de segundas doses desta vacina a partir desta quinta”, publicou a pasta em seus perfis nas redes sociais.

Ainda de acordo com a secretaria, o Instituto Butantan entregou 10 milhões de doses, mas elas estariam paradas no Ministério da Saúde.

“A SMS-Rio entende que a vacinação da população é prioritária e aguarda que o Ministério da Saúde distribua, com a urgência que a pandemia exige, as 10 milhões de doses da CoronaVac que já foram entregues pelo Instituto Butantan e encontram-se em estoque no Ministério”, completou a pasta no comunicado.

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem