CartaExpressa

Brasil envia missão humanitária ao Haiti após terremoto

Brasil envia missão humanitária ao Haiti após terremoto

Cerimônia para a missão brasileira ao Haiti. Foto: Isac Nóbrega/PR

Cerimônia para a missão brasileira ao Haiti. Foto: Isac Nóbrega/PR

Um contingente de bombeiros e cerca de 10 toneladas de ajuda humanitária partiram neste domingo 22 de Brasília rumo ao Haiti para reforçar as ações de emergência após o terremoto que devastou o sudoeste do país há uma semana, deixando mais de 2,2 mil mortos.

 

 

 

A delegação viaja a bordo de um KC-390 Millennium, da Força Aérea Brasileira.

O contingente conta com 32 bombeiros, “quase sete toneladas de material e equipamentos de emergência” e “mais de 3,5 toneladas de medicamentos e insumos estratégicos” para situações de desastres, entre eles “macas, colares cervicais, biombos” e insulina, informou o ministério da Defesa em nota.

O KC-390 Millennium primeiro fará duas escalas nos estados do Pará e Bahia (norte) antes de chegar em Porto Príncipe, na tarde deste domingo.

Segundo Walter Braga Netto, ministro da Defesa, o governo recebeu há menos de uma semana um pedido de apoio pelo Haiti. O Brasil liderou a  Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH), mobilizada de 2004 até 2017 para apoiar as forças policiais haitianas sob a justificativa de manutenção da ordem.

 

 

Ciro Gomes diz que ajuda é ‘minguada’

O candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes, criticou o envio da delegação.

“Só depois de intensas críticas de internacionais, o governo brasileiro enviou uma minguada ajuda humanitária ao Haiti”, escreveu, no Twitter, logo após o anúncio do governo.

Ciro Gomes também afirmou que a missão liderada pelo Brasil no Haiti, anos atrás, não foi bem sucedida.

“Vcs acham isso bonito, Augusto Heleno, Braga Netto, cabeças da desastrada missão que, por mais de uma década, trouxe mais dor que alívio aos pobre haitianos?”, questionou.

 

*Com informações da AFP

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem