CartaExpressa

Brasil atinge patamar recorde de 30 milhões de pessoas recebendo até um salário mínimo

Brasil atinge patamar recorde de 30 milhões de pessoas recebendo até um salário mínimo

Dos 30,2 milhões de trabalhadores que ganham até um salário mínimo, quase 20 milhões são negros

Foto: Agência Brasil.

Foto: Agência Brasil.

O Brasil tem 30,2 milhões de pessoas sobrevivendo com um salário mínimo de R$ 1,1 mil. A quantidade de brasileiros com a renda mensal atingiu um patamar recorde, segundo estudo elaborado pela consultoria IDados, com base nos indicadores da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) do segundo trimestre.

Entre o total de ocupados no País, o grupo dos trabalhadores que recebem até um salário mínimo representa 34,4%. O patamar também é o mais alto já apurado desde o início da série histórica, em 2012.

Outro recorte do levantamento permite aferir que dos 30,2 milhões de trabalhadores que ganham até um salário mínimo, quase 20 milhões são negros43,1% dos negros ocupados recebem até R$ 1,1 mil. No quarto trimestre de 2015, no melhor momento da série histórica, 34,4% ganhavam até o salário mínimo.

O que a pesquisa mostra é que quando os brasileiros conseguem algum tipo de trabalho, na informalidade ou como conta própria, são mal remunerados. O cenário é ainda mais dramático para as famílias no contexto da inflação e da alta de alimentos, energia elétrica e combustível: no acumulado de 12 meses, a inflação já está próxima de 10%.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem