CartaExpressa,Política

Bolsonaro volta a mentir sobre ‘tratamento precoce’ e diz que chamá-lo de genocida é ‘um crime’

Bolsonaro volta a mentir sobre ‘tratamento precoce’ e diz que chamá-lo de genocida é ‘um crime’

O presidente tornou a defender o uso de medicamentos ineficazes contra a Covid-19

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Reprodução/YouTube

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Reprodução/YouTube

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira 8 que considera “um crime” ser chamado de genocida em meio ao avanço da Covid-19 no Brasil.

Hoje, o País chegou à marca de 266.398 mortes provocadas pelo novo coronavírus, com uma média móvel de 1.525 óbitos.

“Me chamar de genocida, isso é um crime. Você falar em tratamento precoce passou a ser crime. Não pode falar de ivermectina, hidroxicloroquina, que eu inclusive tomei, me safei. São dois medicamentos que não causam efeitos colaterais, então por que não experimentar? Temos menos mortes que muitos países de primeiro mundo. Só pode ser o tratamento precoce. E fé em Deus, eu também tenho fé. Sobrevivi à facada graças a Deus”, declarou Bolsonaro à CNN Brasil.

Apesar do que defende o presidente, os medicamentos citados não têm qualquer eficácia comprovada no combate ao novo coronavírus e apresentam efeitos colaterais. Como reforça a própria Organização Mundial da Saúde, não há tratamento precoce eficaz contra a Covid-19.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem