CartaExpressa,Política

Bolsonaro veta projeto que facilitaria acesso a remédios orais contra o câncer

Bolsonaro veta projeto que facilitaria acesso a remédios orais contra o câncer

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O governo do presidente Jair Bolsonaro vetou nesta segunda-feira 26 um projeto de lei que facilitaria o acesso a remédios orais contra o câncer. A matéria, proposta pelo senador Reguffe (Podemos-DF), foi aprovada pelo Congresso Nacional no início de julho.

O texto exige que planos de saúde cubram tratamentos de quimioterapia, radioterapia e hemoterapia de forma oral.

Segundo o projeto, os planos de saúde deveriam fornecer os medicamentos em até 48 horas após a prescrição médica, com os devidos registros na Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Hoje, a regra prevê um prazo de mais de um ano para a avaliação dos remédios de fornecimento obrigatório pelos planos, devido a entraves burocráticos na Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Em nota, a Subchefia para Assuntos Jurídicos da Presidência da República diz que há “boa intenção’, mas que o projeto “contrariaria o interesse público por deixar de levar em conta aspectos como a previsibilidade, transparência e segurança jurídica aos atores do mercado e toda a sociedade civil”.

O Congresso Nacional, no entanto, tem a prerrogativa de decidir se o veto de Bolsonaro será mantido ou derrubado.

 

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem