CartaExpressa

Bolsonaro usou apenas 0,2% do fundo de segurança para combate à violência contra a mulher em 2022

Por lei, governo deveria ter usado 5% dos recursos disponíveis no Fundo Nacional de Segurança Pública para ações de combate à violência de gênero

Foto: Arquivo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

No ano passado, o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) investiu apenas 0,2% do Fundo Nacional de Segurança Pública (FNSP) em ações de combate à violência contra a mulher. É o que revela um levantamento do Instituto Sou da Paz, obtido pelo portal Metrópoles e divulgado nesta segunda-feira 15.

De acordo com a Lei n. 14.316/22, aprovada em março do ano passado, o governo deve destinar, no mínimo, 5% dos recursos empenhados do FNSP para ações de enfrentamento da violência contra a mulher. Segundo o levantamento, apenas 3,7 milhões de reais da verba do fundo foram utilizados.

Como o valor utilizado representa apenas 0,2% do total, significa, na prática, que o governo Bolsonaro investiu 25 vezes menos nas ações, em descumprimento à lei que o próprio governo criou

A coordenadora de Projeto do Instituto Sou da Paz, Cristina Neme, mesmo reconhecendo que 2022 foi um ano de adaptação à nova lei, destacou o baixo investimento em políticas de enfrentamento da violência contra a mulher do governo anterior.

De acordo com a pesquisa Visível e Invisível: A Vitimização de Mulheres no Brasil, publicada pelo Datafolha e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, todas as formas de violência contra a mulher aumentaram no país, em 2022.

Até o momento, a defesa de Anderson Torres, ex-ministro da Justiça e chefe da pasta responsável pelo FNSP, não se manifestou sobre o levantamento. O ex-presidente Jair Bolsonaro também não se pronunciou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.