CartaExpressa

Bolsonaro recusou vacinas da Pfizer pela metade do preço pago por EUA e Europa

Na época, Eduardo Pazuello considerou caro o valor cobrado pela farmacêutica

Jair Bolsonaro e Eduardo Pazuello. Foto: Evaristo Sá/AFP
Jair Bolsonaro e Eduardo Pazuello. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O governo do presidente Jair Bolsonaro recusou, em 2020, a compra de vacinas da Pfizer oferecidas ao Brasil pela metade do preço pago pelos EUA, Reino Unido e União Europeia.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, até 70 milhões de doses da farmacêutica poderiam ter sido entregues a partir de dezembro de 2020 por 10 dólares cada. Os outros países pagaram  US$ 20 pelo imunizante.

Na época, o então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, considerou as vacinas caras. Em abril deste ano, o contrato foi assinado pelo mesmo valor, mas com oito meses de atraso.

O vice-presidente da CPI da Covid, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), contabilizou 53 emails enviados pela Pfizer ao governo a partir de agosto cobrando resposta sobre a oferta dos 70 milhões de doses.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.