CartaExpressa

Bolsonaro ‘perdeu o rumo’ e bolsonarismo virou um ‘salve o chefe como puder’, diz ex-ministro indicado por Olavo de Carvalho

Ricardo Vélez, que ocupou a pasta da Educação, também teceu elogios a Sergio Moro como alternativa para a direita

Apoie Siga-nos no

O ex-ministro da Educação Ricardo Vélez publicou neste domingo em seu blog particular um texto crítico a Jair Bolsonaro (PL) e elogioso a Sergio Moro (Podemos). Vélez ocupou lugar de destaque no governo por ser o indicado de Olavo de Carvalho para lutar na chamada ‘Guerra Cultural’ e agora considera que o ex-capitão e o bolsonarismo ‘se perderam’.

“Bolsonaro, que apresentou uma proposta desvinculada das antigas negociatas, iniciou um governo de inspiração liberal-conservadora, que daria continuidade à moralização da política, apoiando a Lava-Jato e respeitando o teto de gastos. Mas, infelizmente, […] terminou perdendo o rumo no meio à saraivada de críticas infames de uma oposição radical e de uma imprensa que abandonou a sua missão de informar e não inflamar”, escreve em um trecho da publicação.

O ex-aliado então continua, passando a fazer uma análise do que virou o bolsonarismo, pintado por ele na publicação como uma esperança de ‘salvar o Brasil’ em 2018.

“[O] bolsonarismo atual parece ser a de salve-se o chefe como puder, mesmo à custa do abandono da sua pauta de reformas, de controle sobre o gasto público, de manutenção da Lava-Jato, de intolerância para com a corrupção, em aras de uma sobrevivência garantida pelos acordos espúrios com o Centrão”, destaca Vélez em tom de lamento.

No texto, Vélez ainda justifica sua saída do governo de forma semelhante a Sergio Moro, a quem a todo momento faz elogios. Segundo escreve, deixou a Educação ao perceber que “não tinha condições de dar continuidade ao programa traçado de limpar a educação da manipulação da esquerda sindical”. Ao deixar o governo, Vélez foi substituído por Abraham Weintraub, que, apesar de se dizer ferrenho apoiador, nas últimas semanas vem se tornando uma espécie de ex-aliado de Bolsonaro.

Ao fim, diz que, por enquanto, apoiará Moro por ver no ex-juiz a maior proximidade com o programa inicialmente proposto por Bolsonaro. O movimento é semelhante ao de outros ex-ministros, como o general Carlos Alberto dos Santos Cruz e Luiz Henrique Mandetta.

Getulio Xavier

Getulio Xavier
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.