CartaExpressa

Bolsonaro, Moro e Doria são os candidatos mais rejeitados pelos eleitores brasileiros

A emedebista Simone Tebet é o nome mais desconhecido e com menor rejeição entre os pré-candidatos

Fotos: Evaristo Sá/AFP; Marcos Corrêa/PR; Flickr/Gov. SP
Fotos: Evaristo Sá/AFP; Marcos Corrêa/PR; Flickr/Gov. SP
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro (PL), o governador de São Paulo João Doria (PSDB) e o ex-ministro Sergio Moro (Podemos) são os nomes mais rejeitados pelos eleitores brasileiros. O dado foi revelado pela pesquisa Genial/Quaest nesta quarta-feira 12. No mesmo levantamento, Lula (PT) aparece como opção favorita entre os eleitores, com chances de vencer ainda no 1º turno.

Ao todo, Bolsonaro tem a maior parcela de rejeição: 66% de eleitores que o conhecem, mas não votariam. O tucano Doria vem logo em seguida, com 60%. Moro soma 59%. Na sequência está Ciro Gomes (PDT), com rejeição de 58% e o ex-presidente Lula (PT) com 43%.

Entre os pré-candidatos apresentados até o momento, o nome menos rejeitado é o de Simone Tebet (MBD). A senadora, que ganhou destaque durante a CPI da Covid, soma apenas 19% de rejeição. Vale ressaltar, no entanto, que ela é a candidata menos conhecida pela população (74%).

Os outros dois nomes monitorados pela consultoria são Rodrigo Pacheco (PSD) e Felipe D’avila (Novo). Ambos também têm alto percentual de desconhecimento, com 57% e 74%, respectivamente. A parcela que conhece, mas diz não votar nos dois nomes soma 37% para Pacheco e 21% para D’avila.

A pesquisa Genial/Quaest entrevistou 2 mil pessoas entre os dias 6 e 9 de janeiro de 2022. A margem de erro é de dois pontos percentuais.

Getulio Xavier

Getulio Xavier
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.