CartaExpressa

Bolsonaro chama indígenas de massa de manobra e diz que vivem de ‘esmola da esquerda’

Presidente se referia aos acampados em Brasília contra contra as mudanças na demarcação de terras

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro chamou indígenas acampados em Brasília contra as mudanças na demarcação de terras de ‘massa de manobra’ e afirmou que eles vivem de ‘esmolas da esquerda’. A declaração foi dada em conversa com apoiadores no cercadinho do Palácio do Alvorada nesta terça-feira 24.

“Questão do índio dei uma entrevista agora, eles são massa de manobra, são usados. Do MST também, a maioria é usada. São pessoas que vivem de esmolas e de mentiras da esquerda”, afirmou Bolsonaro aos apoiadores.

O mandatário disse ainda acreditar que os indígenas presentes não estão ali por causas próprias, mas sim patrocinados por ‘alguma’ organização não governamental para ‘tumultuar’.

“Não vão intimidar não, mas tem bastante. Esse tipo de organização está sendo bancada por uma ONG, talvez por um órgão qualquer. Mas o objetivo é tumultuar”, respondeu a uma apoiadora que havia afirmado não ter ‘nem mil índios’ no local e que eles estariam ali para intimidar quem vai ao cercadinho.

Na conversa, um bolsonarista também relembrou o discurso do presidente na ONU em 2019, quando ele não conversou com líderes mundiais, elogiou o então ministro Sérgio Moro e se referiu ao ‘patriotismo’ como forma de defesa da Amazônia.

Bolsonaro então o respondeu: “Ninguém esperava aquilo. Começou a se reclamar a partir daquele momento. Os discursos geralmente é de subserviência. O País que mais preserva no mundo é o nosso. Vê se na Europa existe a palavra mata ciliar”.

Aos apoiadores, o chefe do Planalto defendeu ainda a primeira-dama Michelle Bolsonaro que estaria promovendo cultos evangélicos no Alvorada.

“A imprensa está cada vez mais desacreditada. Fizeram uma nota na semana passada dizendo que minha esposa realiza cultos clandestinos aqui na casa dela. Não tem o que falar, né?”, questionou.

Ao se referir a sua participação nos atos do dia 7 de setembro, voltou a afirmar que está ‘conspirando bastante a favor da Constituição’.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar