CartaExpressa

Bolsonaro admite fracasso ao tentar formar o próprio partido: ‘Pode esquecer’

Bolsonaro admite fracasso ao tentar formar o próprio partido: ‘Pode esquecer’

Presidente, que tentou fundar o Aliança pelo Brasil, afirmou que é 'muito difícil' e que 'não dá mais tempo'

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro reconheceu nesta quinta-feira 29 que fracassou ao tentar fundar o Aliança para o Brasil, partido que sonhava formar para as eleições de 2022.

Em conversa com apoiadores na saída do Palácio do Alvorada, o mandatário disse que “a complicação é muito grande e teríamos muitos impedimentos”.

“Pode esquecer, não dá tempo de formar mais. É muito difícil formar um partido. Apesar de ser presidente e ter apoio de vocês, eu não consegui. Então, vamos esquecer o Aliança aí”, afirmou o presidente.

Bolsonaro voltou a fazer críticas a membros da CPI da Covid, que investiga as ações e omissões do governo federal durante a pandemia.

“A CPI do circo quis me rotular de corrupto por uma vacina que não recebemos uma ampola, não gastamos nem um centavo. E olha como esse pessoal acusa as pessoas de coisas que eles são. O irmão do Renan Calheiros, o Omar Aziz e o Randolfe tentaram uma carona em uma Medida Provisória para que governadores e prefeitos pudessem comprar vacinas sem certificação da Anvisa e sem licitação. Nós frustramos o plano deles”, declarou.

“Imagine governadores e prefeitos com liberdade de comprar vacinas ao preço que bem entender e com produção seja onde for. Nos acusam do que eles tentaram fazer”, acrescentou.

Sobre os escândalos que cercam o governo, Bolsonaro disse que o País está “há dois anos e meio sem corrupção”.

“Se aparecer corrupção no meu governo eu agradeço quem vier a denunciar que vamos apurar. Poder haver? Pode”, acrescentou.

Veja o vídeo:

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem