CartaExpressa

Biden inclui imposto sobre bilionários e empresas em proposta de Orçamento

‘O código tributário atualmente oferece tratamento especial para os tipos de renda de que os ricos desfrutam’, argumenta a Casa Branca

Foto: Brendan Smialowski/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, apresentou nesta quinta-feira 9 uma proposta de Orçamento que prevê uma redução do déficit de 3 trilhões de dólares em 10 anos e tributa bilionários e grandes empresas.

A Casa Branca informou que Biden quer um imposto de 25% sobre os americanos mais ricos, enquanto os tributos cobrado às empresas aumentariam a 28%, revertendo um enorme corte de impostos decretado pelo governo Trump em 2017.

“O código tributário atualmente oferece tratamento especial para os tipos de renda de que os ricos desfrutam. Enquanto os salários e vencimentos que os americanos recebem todos os dias são tributados como renda ordinária, os bilionários ganham dinheiro de maneiras que são tributadas a taxas mais baixas e, às vezes, nem são tributadas”, diz um comunicado da Casa Branca.

Ainda de acordo com o governo, esse tratamento especial, combinado com brechas legais, “permite que muitos dos americanos mais ricos paguem uma taxa média de imposto de apenas 8% sobre sua renda total, menos do que muitas famílias de classe média pagam”.

(Com informações da AFP)

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar