CartaExpressa

BBB: Entidades recriminam participante que atrelou movimentos estudantis a ‘vagabundos’

UBES e UNE pediram respeito aos estudantes

Centenas de escolas em São Paulo foram ocupadas por estudantes em 2015 e 2016. Créditos: EBC Centenas de escolas em São Paulo foram ocupadas por estudantes em 2015 e 2016. Créditos: EBC
Apoie Siga-nos no

As entidades estudantis União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) e União Nacional dos Estudantes (UNE) recriminaram a declaração do participante do Big Brother Brasil, Nego Di, que em discussão com o colega de reality Lucas Penteado afirmou que “não se faz revolução defendendo vagabundo”.

Lucas Penteado Koka foi presidente do grêmio do Colégio Caetano de Campos, em São Paulo, e participou da ocupação das escolas que se iniciou em 2015 e se estendeu para 2016 como protesto a reorganização escolar anunciada pelo governador Geraldo Alckmin. O colégio ficou ocupado por dois meses.

Em suas redes sociais, a presidente da UBES, Rozana Barroso, pediu respeito aos estudantes. “Nossa vagabundagem é assim ó. Distribuição de marmita e apostilas de estudo. ENEM, FUNDEB e chips com internet também foram frutos da nossa batalha”, escreveu.

A reação também foi compartilhada pelo presidente da UNE, Iago Montalvão. “Quem fala esses absurdos está muito errado”, escreveu sugerindo que o participante seja rejeitado por quem assiste ao programa.

A deputada estadual Leci Brandão também marcou sua defesa aos estudantes secundaristas nas redes sociais. “Quem está na luta por uma educação emancipadora tem alma revolucionária”, escreveu.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.