CartaExpressa,Sociedade

Barroso proíbe a entrada de missões religiosas em terras indígenas

Barroso proíbe a entrada de missões religiosas em terras indígenas

(Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

(Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, determinou que, devido à pandemia, missões religiosas não podem entrar em terras de povos indígenas isolados.

No despacho, o magistrado reforça a validade de uma decisão proferida por ele e chancelada pelo plenário do STF em 2020 que proibia o acesso de terceiros a áreas com indígenas isolados.

Nesta quinta-feira 23, Barroso se manifestou no âmbito de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade apresentada pelo PT e pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil. Ele ressaltou que “a pandemia ainda está em curso e tais povos são especialmente vulneráveis do ponto de vista epidemiológico”.

O PT e a Apib questionaram uma lei do ano passado que avalizava a permanência das missões religiosas nas áreas durante a crise sanitária. Em sua decisão, Barroso destacou que a ação tem “estrita relação com o risco de contágio e, nesse sentido, parece se relacionar mais imediatamente com o ingresso de novas missões religiosas” do que com aquelas que já estão nos locais.

“Questão diversa, a ser debatida oportunamente, quando do mérito, diz respeito às condições de ingresso das missões que já se encontravam em terras indígenas, e, caso tal ingresso seja ilegítimo, à sua retirada. Quanto a esse ponto, contudo, não está clara a relação entre perigo na demora, pandemia e risco à vida e à saúde”.

Por isso, diz a decisão de Barroso, “defiro parcialmente a cautelar para explicitar o impedimento de ingresso de missões religiosas em terras indígenas de povos isolados, com base em seu direito à vida e à saúde, conforme decisão já proferida na ADPF 709”.

Leia a decisão:

barroso-missoes-religiosas-terras

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem