CartaExpressa,Política

Barroso: Bolsonaro tem o ‘dever cívico’ de mostrar ‘provas’ de fraude na eleição

Barroso: Bolsonaro tem o ‘dever cívico’ de mostrar ‘provas’ de fraude na eleição

Luís Roberto Barroso e Jair Bolsonaro. Fotos: Nelson Jr./STF e Evaristo Sá/AFP

Luís Roberto Barroso e Jair Bolsonaro. Fotos: Nelson Jr./STF e Evaristo Sá/AFP

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Luís Roberto Barroso, reforçou nesta quinta-feira 17 que não há qualquer necessidade de o Brasil passar a contar com a impressão dos votos a partir das eleições de 2022.

As urnas eletrônicas, lembrou Barroso, nunca sofreram qualquer tipo de fraude, ao contrário do que sugere Jair Bolsonaro. Segundo o ministro, o presidente da República teria o “dever cívico” de apresentar indícios do suposto crime.

“A única vez em que houve algum tipo de questionamento foi a auditoria solicitada pelo então candidato Aécio Neves [em 2014], que foi feita e não apurou absolutamente nenhuma impropriedade, porque não há”, disse Barroso em entrevista à CNN Brasil.

“Se o presidente da República ou qualquer pessoa tiver alguma prova de fraude, tem o dever cívico de entregá-la ao Tribunal Superior Eleitoral. Estou esperando de portas abertas e de bom grado. O resto é retórica política, são palavras que o vento leva”, acrescentou.

Barroso ainda afirmou não ter “paixão por urna eletrônica, mas por eleições limpas”.

 

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem