CartaExpressa

Auxílio emergencial não é aposentadoria, diz Bolsonaro

Auxílio emergencial não é aposentadoria, diz Bolsonaro

Segundo pesquisa Datafolha, 69% das pessoas que receberam o benefício não encontraram uma nova fonte de renda

Foto: EVARISTO SA / AFP

Foto: EVARISTO SA / AFP

O presidente Jair Bolsonaro voltou a apontar o endividamento do País como obstáculo para a extensão do auxílio emergencial.

O benefício teve sua última parcela depositada em dezembro de 2020 e, desde então, segundo pesquisa Datafolha, 69% das pessoas que receberam não encontraram uma nova fonte de renda.

“A palavra é emergencial. O que é emergencial? Não é duradouro, não é vitalício, não é aposentadoria . Lamento muita gente passando necessidade, mas nossa capacidade de endividamento está no limite”, disse Bolsonaro na segunda-feira 25.

 

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem